quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Lar Doce Lar

Coitadito do meu blogue. Tenho-te descuidado imenso, não é verdade? Prometo que não volta a acontecer...
Estes dois meses têm sido atribulados, com as correrias matinais habituais, os fins de tarde de arrepiar cabelo e os fins-de-semana que não dão para nada.
O Tomás tem, de vez em quando, umas febres repentinas, que desaparecem da mesma forma que aparecem. Este princípio de semana andava tudo murchinho menos eu. Até o marido teve uma constipação de caixão à cova, agravada por uma tendinite na zona ombro/pescoço, que o fez esmorecer um pouco...
Eu cá ando, com as cólicas no ovário direito de vez em quando, como já é habito. Tenho que fazer outra eco entretanto. Aliás, a médica queria que já a tivesse feito, mas entre dentista, oftalmologista e afins, essa ficou para depois. Sinceramente, já estou farta de "ver montras"!

sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Raios partam a sinusite!!!

Ok



Fartei-me! Vou ao otorrino, porque estou a dar em doida. Passo a vida constipada, com rinite, com dor de cabeça, a espirrar, uma narina apenas entupida.


De há uns meses para a cá a situação está a tornar-se insustentável.


Tenho o septo nasal desviado, penso que é de nascença, o que faz com que tenha uma narina mais estreita que a outra. Nada de especial até aqui, mas a que é mais estreita agora está sempre entupida e por vezes sinto que a ranhoca vai até ao meu cérebro, tal é a quantidade de líquido que acumula. Quando finalmente começa a sair, é um pinga pinga que nunca mais acaba, chego a ficar com cieiro no nariz de tanto assoar e às duas por três fica ferido.


Para o desvio do septo há uma solução: cirurgia. Não sei se é o caso, mas acho que vai ser inevitável…

Sinusite:sintomas e tratamentos

quinta-feira, 23 de setembro de 2010

Pureza de espírito


A caminho do emprego, todos os dias me deparo com uma miúda a caminho da escola, pela mão da mãe, penso eu. Não posso especificar a idade dessa criança, porque me apercebi que deve sofrer de algum tipo de deficiência ou atraso mental, pela maneira como anda e pelas expressões faciais que ostenta.


Hoje, mais uma vez, me cruzei com ambas. Lá ia a menina, de rabo-de-cavalo a “dançar” ao compasso do andar, de mão dada com a mãe, óculos na face, sisuda mas não triste. O meu pensamento voou. Lembrei-me da minha Catarina, que partiu há quase quatro anos. Imagino a minha bebé no lugar daquela menina e penso “Se a Catarina partiu por ter algum problema… Seria assim tão mau ter um filho assim?...”

Quando vejo crianças com este tipo de problemas, alheias às crises que afectam a economia do nosso país, aos casos de pedofilia, à maldade que assola este mundo,às correrias rotineiras, penso que, à maneira delas, são mais felizes do que muitos. Dizem que quem nasce assim se torna uma pessoa mais afável e carinhosa, gostam de dar mimo e de receber, não há egoísmos. São puras de espírito e de corpo.

Não sei o que fazer para encerrar este capítulo da minha vida. Parece que nunca poderei arrancar estas páginas deste imenso livro que é a vida…

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Raio de sol

Sei que sim.



Sei que ainda vamos por essa estrada


Olhos esperançados, ansiosos


Por entre o tempo que preenche a madrugada…


Mar de sensações, desafios dentro de mim.









Sei que sim.


Sei que amanhã, todos os amanhãs


As emoções vibrarão a cada momento.


Palavras ecoam, pairam, não sendo vãs


Afastando-me de um sonho sem fim.






Por entre os dedos


Passam as vidas de outrem


Correm os desejos escondidos


Passeiam as vozes de alguém


Ocultam-se todos os meus medos…


Isabel Fabião

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Semana macho

Esta semana foi de gritos. Aiiiiiii!!! Vêem? Ou melhor, ouvem?Não, porra… Lêem?

Regressada ao trabalho há uma semana, a rotina está entranhada nos meus ossos, de tal forma que o relógio quase que é o meu braço direito. Bem…seria, mas está no pulso esquerdo! Ehehe

Acontece-me cada coisa, que eu penso que dava para um livro de peripécias. Sábado deu-me um ataque de rinite de tal forma que o meu nariz ia ferindo com o cieiro. Depois, uma Srª Dona Constipação resolveu bater à minha porta.


 
De quarta para quinta-feira dormi com as lentes de contacto. Em nove anos, nunca me aconteceu tal. Como agora o sono teima em chegar tarde, fiquei pelo PC até depois da hora em que a Cinderela abandonou a festa, sabem? Sim, depois da meia-noite, foi quando resolvi ir para as palhas. Entre pôr a Tita no bacio, a adormecê-la de novo, lavar os dentes, passar o fio dental, o chichizinho da praxe, esqueci-me de tirar as lentes. Bem, eu bem que reparei que via as pessoas dos meus sonhos bem demais mas… só dei pelo gato (não, Nita, não estou a falar de ti) de manhã ao ver que a coisa estava demasiado embaciada. Upssss. Dormi de lenteesssss…. Lá foi a tolinha trabalhar de óculos. Graças a Deus que actualizei a graduação há poucas semanas, porque senão…

Curiosamente, tinha aberto uma nova embalagem de lentes mensais há dois dias. Pois… Mas hoje é que caíram o Carmo e a Trindade, tadinhos: ao colocar a lente do olho direito, escorregou-me direitinho ao ralo e ala que se faz tarde! Grrrrrrrrr.Umas lentes novinhas…

Há quem fale em dias macho…E semana? Esta foi uma semana macho!!

quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Mulheres de mineiros descobrem não ser as únicas - Globo - DN

Esta matou-me...

Um amigo do FB partilhou esta notícia:

Clica aqui!!


Furam até demais estes mineiros, não?


E agora, mineiros de Portugal, acham que devem corrigir a vossa vida sentimental? Não vá o diabo tecê-las...

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Dias de tempestade



Não, não é o famoso filme do Tom das cruzes, aquele onde conheceu a Nicole...
Estes dias têm sido um sufoco, mas vamos levando a coisa "cantando e rindo" como uma colega minha de trabalho costuma dizer.
O Fred foi ontem submetido à intervenção cirúrgica ao pulso e toma lá dois parafusos. Se durante uma semana teve gesso apenas no braço, abaixo do cotovelo, agora de levou também acima do cotovelo, de forma a manter o braço completamente imóvel. Estava com dores à noite e teve que levar uma dose no rabiosque para ver se a coisa amainava.
A Inês ontem quis dormir na minha cama.Sentia falta do pai, que deu entrada no domingo. Dormi mal.Não por ela ter um sono agitado, mas porque sentia falta de qualquer coisa. Pois...É assim a vida, reclamamos, mas quando nos faltam...
Bem vistas as coisas, não tenho muita vontade de dormir ultimamente, pelo menos à noitinha.Depois, de manhã é que são elas. Tenho andado com o estômago às voltas de há uns dias a esta parte e por vezes até parece que vou vomitar. Ando muito stressada, sei bem, e um dia destes caio para o lado com as quebras de tensão que vou tendo. É uma correria de manhã até à noite e depois, quando devia ter sono não tenho.
Mas, nem tudo vai mal. Há quem esteja bem pior e não se queixa. É disso que eu tenho que me lembrar. O problema é que... O ditado é velho: "Pimenta no rabo dos outros, para mim é refresco!"
Que má que eu sou, não?

Ah, ah, ah

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Mais um verão

Agosto... Altura em que a terriola se enche de "avecs", de ir a banhos, das confusões nas estradas, dos incêndios que se acumulam, do dolce fare niente...para alguns.
Para mim, Agosto é sinónimo de infantário fechado duas semanas, de enclausura, de limpezas, de arrumações, de introspecções também. Encaro o mês de Agosto como uma espécie de fim-de-ano, em que se faz um "recomeço" em Setembro com o regresso ao trabalho, à rotina.
A semana passada foi muito cansativa, com 3 dias de pinturas, de limpeza de cortinados, lavagem de carpetes,de arrastar mobílias.O forno avariou, a máquina de lavar roupa está a dar os últimos gritos...
 Esta semana estou mais numa de relaxar, embora os meu estores precisem de uma boa lavadela que pretendo dar lá para sexta-feira.
O Fred partiu o pulso há quinze dias, mas como pensou que não era nada demais, deixou andar. Pois... Agora vai ter que "gramar" com dois parafusos...
Volto ao trabalho na quarta-feira com a cabeça mais pesada do que quando vim de férias...
Meu querido mês de Agosto?Ohhhh, por favorrr!!!!


quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Tantos anjinhos junto de ti, meu Deus...

Hoje fui ao site da APF. Já não ia lá há algum tempo.Tentava sarar as minhas feridas, apreciar os meus filhotes, deixar o assunto esmorecer mais um pouco. Porém, nunca esqueço a minha Catarina.Aliás, não passa um dia sem que me lembre dela.
Os relatos que encontrei pelo site fizeram-me abrir a ferida do meu peito, uma dor que dilacera o meu coração, ao me compadecer das mães dos anjinhos que viram partir. Vejo o quão cobarde fui ao não querer ver a minha própria filha, guardo esse remorso até ao final dos meus dias... Vejo que não sou a única que me sinto culpada de não ter protegido a minha bebé, estando ela dentro de mim. Era essa a minha função. Falhei...
Esta Mulher, sim com M grande, é uma mãe de um anjo... Que Deus a compense, como me compensou a mim, e a todas as outras que por um filho anseiam.

Enviem palavras de conforto a esta mãe. Ela precisa do nosso apoio: Testemunho Célia


sexta-feira, 23 de julho de 2010

Outras vidas...

Tenho uma amiga dos tempos do liceu que, não sei se por ser forte se devido à sua maneira de ser, nunca teve muitos amigos. Desde que travei conhecimento com ela, em pleno 10º ano e numa turma onde eu não conhecia ninguém, que ela se “colou” a mim, tanto que uma prima minha começou a chamá-la de “purgante”. Confesso que era difícil por vezes manter a calma e não perder as estribeiras quando um rapaz se metia comigo e ela respondia a correr nem me dando oportunidade de falar, ou quando íamos a algum lado e ela dizia coisas inoportunas alto e bom som deixando-me mais corada que um tomate. Porém, nunca fez parte da minha maneira de ser deixar de ser amigo de alguém por “dá cá aquela palha” e por isso as coisas foram-se arrastando. Nos trabalhos de equipa ficávamos as duas, partilhámos algumas carteiras, íamos a pé para casa juntas.



Quando chegámos ao 12º ano eu não sabia se poderia prosseguir estudos devido às fracas posses da minha família. Essa minha amiga deixou uma disciplina por acabar. Deixámos então de nos ver diariamente. Entretanto comecei a namorar o meu actual marido, que também a achava um pouco “diferente”, tal como a maior parte das pessoas que a conheciam, e entrei para a universidade. Tudo isto fez com que nos afastássemos, embora periodicamente telefonássemos uma à outra. Casei, convidei-a para o meu casamento… Ela, namoricos fugazes, nada a registar. Começei então a sentir remorsos e convidava-a para ir lá a casa jantar, ou melhor, ia buscá-la já que ela não conduz. Confesso que às páginas tantas até isso deixei de fazer. Não ouvi um obrigado sincero uma única vez e achei que o meu esforço não valia a pena…



A vida complicou-se, trabalhamos as duas, eu tenho três filhos, o fim-de-semana é passado em família. Cada vez menos mensagens, menos telefonemas… Pensava porém nela com alguma frequência porque nunca gostei de ver ninguém só. É filha única e os pais aproximam-se de uma idade em que mais dia, menos dia precisam que alguém cuide deles. Engordara imenso.



Há cerca de um ano disse-me que tinha saído de casa para ir morar com um rapaz. Notei que estava mais magra, feliz, mas inconsciente da vida a dois. Convidei então o casalinho para jantar lá em casa. Tratava-se de um rapaz que residia no seu antigo bairro, de famílias muito modestas. Porém, ela não se ficava nada atrás.



Tive esperança então de que ela finalmente organizasse a sua vida e que ficasse mais independente.



Engravidou. Há duas semanas, assim que soube que era um rapaz, levei-lhe as roupas do Tomás que estivessem ainda em bom estado e alguma que me fora dada também. Vi então que morava num apartamento híper pequeno, sem luxo algum. Fiquei com pena dela, mas ela demonstrou estar feliz.



Ontem recebi a notícia de que o menino, Tiago Alexandre, nascera na semana passada, 3 semanas antes da data prevista. Disse-me então que as roupas que lhe dera caíram do céu, porque poucas mais tinha. Senti-me feliz por ela. Despedi-me com a promessa de ir conhecer o petiz em breve. A Inês não cabia em si de contente.



Bem-vindo Tiago!


quarta-feira, 21 de julho de 2010

Porquê

Às páginas tantas, pensei para comigo: “Ouve lá, Isabel, para onde é que a vida te leva”?

Tentei responder, mas as respostas…onde estariam elas?

Viver só acaba de uma maneira, na morte. O que fazer para que esta caminhada seja realmente vivida, de modo a que, ao fechar os olhos para não mais os abrir, possamos dizer que nos sentimos completos?

Fui filha, fui neta, fui mãe, fui amiga, fui esposa. O que se espera de uma mulher?

Às vezes pergunto-me se o nosso destino somos mesmo nós que o traçamos, como se pegássemos num lápis de carvão e fossemos arrastando o bico por uma imensa folha de papel branca. Delinearíamos o nosso lar, a nossa família. Trocávamos nessa altura o lápis de carvão e trocávamo-lo por um de côr. A vida seria mais colorida. Mas… ao esboçarmos as coisas mais tristonhas, os lápis de côr voltavam para a gaveta.

Penso então que não. A vida está escrita nos Astros. Imagino-me a olhar pela janela numa noite de luar, contemplando as constelações lá bem no alto, interpretando o seu significado “Olha, vou arranjar emprego, ter um filho e mudar de casa”. Seria caricato, abrir a janela todas as noites à espera que as nuvens desaparecessem para eu poder “ler” o meu destino.

Ocorre-me a minha aversão ao número 6 e todas as coisas más que têm acontecido em alturas diferentes, tendo em comum o 6. Nasci a 26 de Janeiro de 1976. Se fosse a 26 de Junho (6) de 76, ainda entendia, pois 666 segundo dizem é o número do diabo. Assim, não entendo o porquê disto tudo. Coincidências? Já me custa a acreditar e, além disso, não gosto de coisas que não tenham uma explicação.



De volta a “onde me leva a vida”, imagino-me daqui a 20 anos, filhos já criados, ainda a arrastar os dedos pelas teclas de um PC (afinal de contas sou escriturária) e a aperceber-me que nada mudou. A mesma rotina, a mesma vida, a mesma tez carregada.

É estranho como não me sinto viva, não tenho objectivos nem direcções definidas. Contento-me com pouco e esse pouco basta. Ralho a mim mesma “Assim, Isabel, a vida não te leva a lugar nenhum!”

domingo, 11 de julho de 2010

Catarina...

"Filho,



Adorava dizer - te que tenho todo o tempo do mundo para ti, adorava "reclamar" com as minhas amigas as tuas birras, adorava passar a noite toda acordada para encostar - te no meu peito e limpar - te as lágrimas do rosto.


Sabes, as vezes sinto - me sozinha e na verdade tenho a casa cheia. Sinto que apagaram - me o fogo dos olhos e que me tiraram o "troféu".


Desejo tantas vezes, antes de adormecer, sonhar contigo, só eu e tu.


Quase 4 anos que o meu mundo por momentos deixou de ter sentido, 4 anos de uma dor insuportável, 4 anos a viver um dia de cada vez, 4 anos de recaídas e de sucessos.


Ha um tempo atrás, pensava que estava pronta para deixar - te ir mas eu não estou pronta para isso.


Na verdade quero mais um dia e sempre assim ... mais um e mais um e mais um e mais um ... sinto que vai ser sempre assim até partir.


Sinto o coração apertadinho sabes? Tenho ser forte e apanhar cada pedra do meu caminho, por ti pelos teus irmãos, pelo teu pai e por mim até mas em tantos momentos so quero esconder - me e ninguem percebe. Se notam algo, falam comigo como se fosse apenas uma gravidez... as vezes apetece - me gritar de tanta raiva que sinto.


Continuo a perguntar, porquê isto a nós ...


Sinto - me muitas vezes afogar em tamanha tristeza. Custa - me tanto não te ter aqui, custa - me tanto esquecer - me como era o teu toque na minha barriga ... muitas vezes toco - me para ver se acerto no toque ... estou a esquecer - me e desejo so durante um dia, sentir tudo o que senti quase a 4 anos atrás.


Sei que estás comigo, sei que tu és a minha energia e agora a avo. Sinto uma energia estranha quando estou mal, uma energia que mete - me a cabeça erguida.


Irás ser sempre o meu filho, um dos meus portos seguros, a corrente do mar a levar o nosso barco ... irás ser sempre meu, apenas meu."

Posted 10-06-2010 22:52:59 Mensagem #2423198







Clara Sophie


Retirei este depoimento do site http://www.pinkblue.com/, um site que em tempos visitei com bastante assiduidade. Descobri esse cantinho quando tive problemas de infertilidade secundária. Afeiçoei-me a ele, embora no princípio me sentisse estranha porque não conhecia ninguém. Pouco a pouco o site levou-me a "conhecer" outras pessoas, outras dores. Habituei-me a sofrer pelas minhas "colegas" de fórum. Depois, lá veio o positivo. Mudei de fórum. Uma das mulheres por quem tinha mais estima, perdeu as estrelinhas.Fui-me um pouco abaixo porque tive medo. Esse medo, infelizmente, teve razão de ser... Perdi a minha Catarina às 34 semanas, depois de uma gravidez tão atribulada, mas feliz ao mesmo tempo.
Outro fórum se seguiu: o das perdas gestacionais. Afinal, o site pinkblue é dos sites mais completos que conheço, com fóruns bastante interessantes que nos podem ajudar nas mais variadas alturas.
Nesse fórum "conheci" outras mães que viram os seus filhos arrancados do seu ventre cedo demais, histórias de mães coragem, outras de mães que, infelizmente, podem nunca vir a saber o que é ter um filho nos braços.
Dói muito perder um filho. É uma incredibilidade que nos assalta, depois uma revolta, a seguir um sofrimento sem fim e no fim a resignação. Porém, será que estaremos mesmo resignadas?...

sexta-feira, 9 de julho de 2010

Ecos em mim


Ouço o corta-relva no jardim, cheiro o aroma da relva cortada num misto de terra molhada pelo orvalho. O rádio ecoa no meu ouvido, baixando lentamente de volume. Já não o ouço. O meu pensamento voa, alheio-me lentamente do PC, dos papéis, da vida. Penso no vazio, no nada, no meu “Eu”.



Alguém me chama, a minha cabeça teima em não virar… Aproxima-se de mim, profere de novo o meu nome. “Não, não olhes” digo a mim mesma. “Sim, olha” diz a minha consciência. Acabou-se. Estou de volta à realidade…

quarta-feira, 7 de julho de 2010

Que bronca :(

Os pimpolhos agora deram em tirar a fralda quando dormem a sesta. A Martita está a treinar o uso do bacio, mas como o Tomás tem um historial de diarreias de quilómetros, resolvi adiar o treino dele. Não sei se é por ver a irmã e os outros meninos no infantário, agora teima em tirar a fralda…



O pior aconteceu este domingo, quando a Marta tirou a fralda enquanto estava deitada, depois de eu ter dito raios e coriscos por ter que colocar 2 vezes a fralda ao irmão. O meu marido, ao ver-me passar dos carretos, disse-me para ignorar porque se haviam de cansar.


Pois, bonito! A Marta tinha que fazer das dela…


Quando fui abrir o estore, cheirou-me logo… Pensei que era uma das diarreias do Tomás na fraldoca. Quando me viro e me dou conta que o cheiro vem do outro berço, olho e… Aiiiiiiii, Martita que eu não estou a ver bem…


A pequena tinha tirado a fralda e feito o servicinho em cima do edredão, para literalmente rebolar depois enquanto dormia. Estava toda suja…


Resultado: fui ter com o meu marido e puxando-o pelo braço mostrei-lhe a prendinha da miúda ao mesmo tempo que dizia “Pois, ignoro não é? Agora dás tu banho à Tita para ver o que custa!”


Ele esforçou-se para não esboçar um sorriso, enquanto que eu não sabia se havia de rir ou chorar…

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Educar: haverá tarefa mais árdua?




Depois de um “Vai fazer os trabalhos de casa” ou um “Vai lavar os dentes” há sempre umas caretas, umas orelhas moucas, uns “mas eu…” A seguir à fase do não querer escovar os dentes veio a fase do não querer escovar o cabelo. Depois da fase do só querer calções veio a fase no não querer calções. Quis umas sapatilhas X para dois dias depois querer umas Y. Adorava o Noddy (que agora detesta), passou para o Bob o construtor e depois para o Ruca. Agora, nada vê na TV a não ser os Morangos com Açúcar. Quis ir para a natação, depois quis sair e foi para a dança. Detestou a dança, voltou para a piscina. Adorava tops e agora só quer t-shirts. Se lhe deixo a roupa para o dia seguinte na cadeira não a quer vestir, se não deixo berra um “Ó mãe, onde está a minha roupa?”

Se damos mimo ao irmão diz que estamos a pôr a mana de lado, se brincamos com a Tita é porque o Más é sempre desprezado. Pede-me molas para o cabelo mas depois não usa nenhuma, está sempre a queixar-se que as calças lhe apertam, se levo casaco para ela vestir quando saímos não tem frio, se não levo começa a tremelicar.

Quando vou dois minutinhos a casa da vizinha tem que vir comigo pois tem medo de ficar sózinha, se vou regar as plantas do jardim e dá pela minha falta grita “Ó mãeeeeeee!!!!!!” para eu responder “Estou aquiiiiiiii” – a vizinhança deve achar que sou doida porque passo a vida a gritar.

Digo-lhe para ir fazer contas ela diz que já sabe e que é fácil, pergunto-lhe a tabuada não sabe dizê-la. Peço-lhe para não dizer algo à avó, ela vai dizer ao avô (claro que ele se encarrega do resto), peço-lhe para arrumar a roupa passada ferro diz “Agora? Estou de saída para dar uma volta de bicicleta…” Digo-lhe “Ajudas-me? Senão não comes um gelado” ao que responde “Ahhhh…. Também não quero!” Mando-a ir dormir sai logo um “Não tenho sono. Vocês também não vão já…”

Ajudo-a com os TPC é porque “ A professora não ensinou assim” ou “Sabes lá tu!...”

Bem diz aquele ditado chinês:

“… Queres trabalho para uma vida, educa uma pessoa.”

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Retrocesso

Terça-feira passada foi dia de ver montras de novo. Nova eco endovaginal para verificar se o SIU estava no sítio. Até aqui, nada demais. O pior foi verificar que novo endometrioma apareceu no ovário direito, devendo ser vigiado já que o ovário está a aumentar de volume. Concluí então que as dores que tive há dois ou três meses e as perdas adjacentes, foram o "esvaziar" do endometrioma anterior, provocado pelo enterrar do cinto das calças pela carne adentro ao me baixar para dar algo aos bebés. Foram dores horríveis, mas nada demais fora encontrado na eco que se seguiu. Pudera! O dito tinha desaparecido. Porém, estou a ver que isto me vai perseguir para o resto dos meus dias, já que novo endometrioma surgiu e aumenta de volume a olhos vistos. Só espero qu não cresça a pontos de me rebentar com o ovário... Será que isso pode acontecer?

Aiiii a minha vidaaaa!!!!

terça-feira, 18 de maio de 2010

Fui novamente convidada para madrinha!



Em princípio, penso que a criança não será baptizada, mas só de ser “madrinha por palavra” dá-me uma alegria enorme.


A minha amiga está, finalmente, a realizar o desejo de ser mãe. Infelizmente o sonho foi adiado, mas está a chegar a hora.


Lá em casa temos 3 afilhados, mas mais um não causa nada senão satisfação: é sinal de que somos vistos como alguém que gosta de crianças e que sabe o valor que um filho tem.


Ainda no ano passado fomos padrinhos de casamento. A coisa não está fácil, mas arranja-se sempre qualquer coisinha. O que importa é que nós nos sentamos valorizados e que os nossos amigos sintam que podem contar connosco, por pouco que possamos ajudar. Sinto-me bem assim e isso reflecte-se também nas minhas amizades que duram há tantos anos e o laço está cada vez mais forte.


Venham mais afilhados, que o quinteto tem o maior prazer!

quarta-feira, 12 de maio de 2010

Adeus, fiel amigo

Foram catorze anos de aventuras, mimos, olhares, afagos. Fora-me dado pelo meu namorado, agora marido, e cresceu em duas casas já que se "mudou" quando casei. Brincalhão, esperto, amigo.
O meu pai adorava-o e dava-lhe uma banhoca na altura do calor num tanque de um poço na companhia de outro fiel amigo de grande porte que tínhamos na altura. Era vê-lo a nadar todo satisfeito e dar saltos de contente à medida que sacudia o pêlo quando saía de lá.
Se colhiamos uma pêra da velha pereira que apenas permanecia de pé para lhe dar sombra e, soltando-o da corrente, a atiravamos para longe, corria atrás do "cheiro" e trazia-a de volta.Porém, fazendo um jogo de rato-gato, não nos entregava a dita, fazendo-nos ziguezaguear atrás dele num jogo de perseguição para lha retirar.
Ontem deu o seu último suspiro. Muitas lágrimas foram derramadas por mim e também pela Inês que cresceu este nove anos na sua companhia.
Até sempre Teddy...

segunda-feira, 3 de maio de 2010

Olh'as fotoooosssss!

Este foi o bolinho que fiz em casa para os pimpolhos levarem para  a escolinha. Já que não podemos e levar nada com cremes ou chocolate, fiz uma dose dupla de bolo de iogurte e usei decorações de ex bolos de aniversário da mana mais velha. Vejam lá se não ficou engraçado:

Nesse mesmo dia demos um avião aos pequenos, que fez as delícias dos dois :)

(Atenção ao pormenor dos caracóis!!)


A festinha foi só no domingo à tarde, mas desde sábado de manhã que andava de volta dos tachos e panelas. A Martita não cabia em si de contente quando recebeu o seu "bebé":

 


A mana mais velha ajudou o Tomás a tornar a apagar as velas que teimavam em reacender, as malandrecas :)
Foi um fim-de-semana muito cansativo, mas muito especial, sem dúvida.

Ah, quero agradecer a um casal muitooo simpático (quem será?...) que deu como prendinha uns calções de banho e um fatinho de banho absolutamente deliciosos para os miúdos molharem o rabito no mar, ehehehe

Beijinhosssss

Para o ano há mais!

Eh pá, vou engordar 20 kg com os doces que comi ontem :) Aquilo foi baba de camelo (ai o leite condensado!), mousse de chocolate caseira, pudim de ovos, mousse de ananás, bolo de aniversário... Bem, se passei tanto tempo na cozinha a fazê-los também haveria de fazer o "sacrifício" de os comer, não?  
:)
E umas moelas? Hummmmm... E uma quiche? Aiiii... E pãozinho com chouriço? Eh láaaa. Valeu-me o caldinho verde para desenjoar, ehehehe.

A todos os meus AMIGOS (com letra grande porque os meus amigos são do melhor que há!) e familiares:

Obrigada pela bela tarde que nos proporcionaram ontem, comemorando connosco o segundo aniversário dos meus pimpolhos. Que estes momentos perdurem na nossa memória para sempre e que venham muitos mais, com saúde, alegria e muito calor humano!

Obrigada ainda a quem nos contactou por SMS, telefone, mail ou facebook.



O Tomás e a Marta são afortunados por estarem rodeados de gente boa, que os mima e estima como se fossem seus. Tenho pena que haja tanta criança neste mundo que não tenha essa sorte…

sexta-feira, 30 de abril de 2010

Dois aninhos de evoluções :)


Os meus pimpolhos mais novos festejam hoje dois aninhos. Cada vez que viajo no tempo até ao dia do seu nascimento esboço um sorriso ao mesmo tempo que me esforço para não sair uma lagrimita...  Dois quilinhos de gente, o tamanho 1 de fraldas era enorrrmmme para eles, os babygrows não enchiam com os seu corpito. Tão indefesos, tão desprotegidos, tão sensíveis.
Estes dois anos foram conotados de alguma angústia, de alguma correria, de algum sacrifício, mas cheios de coisas memoráveis como sorrisos, primeiros passinhos, primeiros sons, uns caracolitos louros que surgiram, uma meiguice que despertou neles.
Amo-vos bebés!

Parabéns e que sejam sempre muiittto felizes, porque se depender de mim, vão sê-lo!

domingo, 25 de abril de 2010

Fim de semana atribulado...

...para (não) variar!
Sexta à noite fui com a Inês à piscina, chegando a casa perto das nove horas da noite. Comecei a jantar eram quase dez horas. Estava tão cansada que até fazia dó :(
Sábado, lavei o chão da casa toda, fiz o almoço e arrumei tudo até às 14h. Foi uma lufa-lufa só, com os gémeos a chamar por mim de 5 em 5 minutos :(  A recompensa veio depois: uma tarde no novo Shopping com duas amigas. Foi a primeira vez que o fiz, mas soube-me a mel :) Prometemos tornar a sair uma tarde em breve. Lá por sermos casadas e com filhos, precisamos do nosso espaço, do nosso tempo, do nosso "Eu"! Homens, preparem-se!  :)
Hoje a amiga da Inês que está doente sentiu-se mal na missa... A Flá tem uma doença rara, esteve uma vez hospitalizada, a mãe tem andado com ela de médico em médico e nada ou quase nada  há a fazer, a não ser aprender a viver com a doença. A miúda ainda ontem veio buscar a Inês para brincar e estive à conversa com a mãe. Estava bem disposta e muito activa. Hoje...aconteceu... Espero que recupere bem e muito em breve :(
Os gémeos estão imparáveis neste domingo: terra dos vasos cá para fora, toca a retirar todas as folhas das plantas de interior, a água do jarro foi toda despejada no chão da cozinha, estão sempre a "virar" toda a comida do frigorífico e arredores e não páram de se lamuriar :(
Aiiiiiiiiiiii! Nunca mais é segunda-feira?

:)

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Felicidade



Não sei bem porquê, mas sinto-me muito feliz!  É estranho não o poder justificar, mas é realmente assim que me sinto :)
Saúde? Sim, tenho. Filhotes lindos? Sim, tenho. Marido presente? Sim, tenho. Emprego estável? Sim, tenho. Amigos? Ai se tenho!!  :)
Não acham que, pensando bem, tenho todos os motivos para estar feliz?

Partilho este meu sentimento com todos vocês. E vocês? Acham que têm motivos para se sentirem infelizes?

quinta-feira, 15 de abril de 2010

Que paz...

Cada vez gosto mais deste meu canto. O outro  que tenho há três anos está com uma vizinhança de bradar aos céus. Gentinha que ataca este e aquele, a luta por uma estrelinha a mais, por um destaque, por um comentário a mais. Mas que coisa!
Bem sei que tenho lá muitos amigos, que visito regularmente embora nem sempre comente, mas tenho fugido de lá porque o ambiente roda sempre em volta de conversas de mau gosto.
Ah, aqui respira-se melhor!


Entretanto,  a Inês fez nove anos e reuni os primos e amigos dela. Mesmo deixando muita gente de fora, a casa estava cheia e a pequena estava super contente.
Embora me tivesse dado uma trabalheira danada (no dia anterior estive a fazer doces até à 1.39h da manhã...) fiquei feliz com o resultado final. O tempo também deu uma ajudinha e fizemos a festinha no telheiro nas traseiras, onde os miúdos puderam brincar à vontade, embora o entra e sai de casa fosse constante.

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Nocas, Parabéns!!!

Nove e um quarto da manhã. Eis que finalmente posso respirar de alívio. Ela chegou, por fim. Sobe-se os estores da sala de partos, um sol radioso inunda a divisão adivinhando um perfeito Domingo de Primavera. Estávamos em 2001.







Bem-vinda Nocas!!!!

sexta-feira, 26 de março de 2010

Ajudar os filhos nos estudos? Não... Eles é que nos ensinam!



Ainda agora a procissão vai no adro e já cheguei à conclusão de que muitas coisas que aprendi na escola estão desajustadas. Como hei-de ajudar a Inês com os trabalhos de casa se me apercebo que há coisas que não se fazem da mesma maneira, outras já não fazem sentido, enfim uma confusão?
Tudo começou quando ela me pediu para lhe explicar como fazia a conta de dividir que trazia no caderno. Assim que comecei a explicar-lhe ela interrompeu:

- Mãe, a professora não nos ensinou assim!
- Então foi como?
- Não me lembro...
- Então fazes como eu te estou a ensinar.Deves estar a fazer confusão.

Puro engano. Dias depois vejo que a professora a fizera apagar o cálculo e a Inês teve que fazer a conta de novo, usando um método de diminuição e multiplicação que nunca tinha visto.

- Fazer uma conta de dividir assim??? Que diacho de método é esse?
- A professora quer que façamos assim...
- Tudo bem, ela é que manda.

Hoje de manhã veio a Inês ter comigo:

- Mãe, sabes os planetas?
- Sei: Mercúrio..., ... e Plutão
- Não.Esse já não existe!
- Hã????
- Sim, a professora disse que desapareceu...
O meu marido ouvia a conversa e anuiu que era verdade.
- Chiiii... Despareceu? Como é que um planeta desaparece???
- Desintegrou-se.

Bem, posto isto agora pergunto: antes de ensinar o que aprendi devo ir à Internet verificar se ainda assim é?

:)

sexta-feira, 19 de março de 2010

19 de Março



Não estás comigo em corpo, mas estás em alma.
Um beijinho grande de muita saudade...

Tua filha e netos

quinta-feira, 11 de março de 2010

Mamas, para que vos quero?...

Fiz finalmente a recolha de amostras do quisto do peito direito para a citologia. A médica disse-me que era aconselhável retirá-lo, mesmo que não desse positivo para maligno (é curioso como nunca pus a hipótese de o ser) e fez-me assinar o termo de responsabilidade para o internamento. Agora é esperar o resultado, para ir “à faca”, mais uma vez com anestesia geral. A vida é engraçada… Passei anos sem colocar os pés num médico e agora, em dez anos, já é a terceira anestesia geral que vou levar. Todas elas foram para pequenas cirurgias do foro ginecológico. Quer isto dizer que este será o meu fado até ao fim dos meus dias?...

quinta-feira, 4 de março de 2010

Interregno

Ahhhh, estas politiquices "Face Oculta" e afins estão a enervar-me. Porque este disse isto, o outro disse aquilo, o PS é assim, o PSD é assado, a TVI, o Sol... Chegggaaaaaa!
Não vejo telejornais e passo à frente nos jornais.Quero esquecer esta treta toda. Até o outro blogue que tenho no outro "bairro" vou deixar em paz por uns dias.Saio assim de mansinho, como se fosse de férias, sem avisar ninguém... Olha, vou-me dedicar à minha quinta, que iniciei esta semana no Facebook. Sempre distraio e não tenho que ler comentários parvos àcerca de política, nem posts com palavrões no título só porque acham que é "cool" dizer asneiras, atacar o Sócrates ou dizer mal de tudo e de todos. Parecem autênticas comadres na calhandrice e depois se alguém faz um comentário que não lhes cai bem, uiiii. Lá vem bombaaaa! E depois chamam-se de pessoas civilizadas :)
Ahhhh, como é bom viver na ignorância!
Os pimpolhos andam mais chatitos esta semana. Não sei o que se passa, mas passam a vida a choramingar... enfim, se calhar aperceberam-se do estado na nação também!

:P

sexta-feira, 26 de fevereiro de 2010

Ver montras...de novo!

  • Colocar SIU - Feito!
  • Exame ao útero e ao peito - Feito!
  • Citologia mamária - A efectuar dentro de duas semanas
  • Retirar o fibroadenoma maior - Sem data prevista. Depende resultado citologia
  • Marcar ecografia vaginal pós colocação SIU - Após 1ª visita Mr Red

Eu bem dizia que uma vez no consultório, nunca mais de lá saía...

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

terça-feira, 16 de fevereiro de 2010

Carnaval cá por casa

Olhó passarinhooooo!



Cowboy que se preze, defende a sua "Dama"!
Nos tempos livres, caça uns coelhitos para o jantar :)

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2010

Ai a minha vidaaaaa

Os gémeos estão com bronquiolite. Nunca adoeceram os dois ao mesmo tempo, embora o pediatra que os segue nas consultas de rotina na Maternidade Daniel de Matos já me tivesse alertado que isso iria acontecer… Pois, aconteceu. Estão os dois entupiditos e já comecei a dar Ventilan em aerossol e Rosilan, para ver se a coisa vai…

Isto de ser prendada com dois seres ao mesmo tempo tem muito que se lhe diga. Quando pensamos que vamos ter sossego, algo acontece.

A Martita tem andado numa fase tão engraçada! Palra imenso e coloca uma palavra ou duas pelo meio. Se vê que a estamos a observar, faz um sorriso envergonhado e depois grita de contente. De vez em quando lembra-se de “desancar” no mano, puxando-lhe os caracolitos ou beliscando-lhe o braço. Ele apenas choraminga, nem se defende. Depois, digo à mana para lhe dar mimo e a Martita fá-lo deslizando a mão na carinha dele. Riem-se os dois. A Inês observa-os e ri-se também.

Sinto-me feliz com os três estarolas!

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Fim-de-semana de loucos!!!

Este fim-de-semana foi absolutamente uma corrida contra-relógio!
Logo na sexta-feira, foi uma correria após sair do emprego para ir buscar a pequenada, para depois levar a Inês à natação. Foi uma lufa-lufa para manter os pimpolhos distraídos enquanto eu "alinhavava" algumas coisas em casa e a Inês se vestia. Em meia-hora, saímos de casa. Ao regressarmos, já eram 21 horas, jantar, arrumar as coisas e camita.
No sábado, acordei às 10h (o que soube a mel, de tão raro que é). A Inês surpreendeu-me: já tinha dado o leitinho aos manos. Elogiei-a e ela adorou sentir-se prestável. Depois, pus-me nas limpezas, mas os gémeos não me largavam o pé. Eram quase 13h e ainda não tinha feito quase nada! Pensei logo "Como é que a Inês vai estar nos jogos aquáticos às 16.30h, com a casa ainda neste estado?" Uma vez por ano, a natação reúne os alunos todos, proporcionando-lhes uma tarde de jogos e brincadeiras apenas. Eu inscrevi a Inês, mas como o meu marido raramente está em casa ao sábado, não sabia se ele ia, nem tão pouco se podia tomar conta dos gémeos para eu pôr a casa em ordem. Resultado: eram 16h estavamos os cinco a sair de casa, mas com tanta tralha para levar (saco das fraldas, prendinha do bebé que iamos visitar de seguida, casacos...) a Inês esqueceu-se da mochila em casa!
Ia-me dando uma coisa quando ia para retirar a mochila do carro e vi que não estava lá... Ainda pensei em ir a casa, mas estávamos em cima da hora... Desistir? Pois, mas eu tinha-a inscrito e era chato.Além disso, o pai tinha conseguido ir connosco e os manos também.
Acabei por pedir à escola uma touca e uns chinelos (por sorte ela tinha o fato de banho vestido). Terminados os jogos, respirei de alívio. Porém, o pior estava para vir... Upssssss! E agora, como a seco? Bemmmm, gastei imensos toalhetes de papel de limpar as mãos... Depois, um duplo upsssssss! Aiiiii, então e as cuequitas?  Pois...Dessa nem me tinha lembrado... Estava na mochila. Treta do caraças! Enfim, calças e mais nada! Grrrrrrrrrrrrrr...... Esta vida é uma anedota! Pena é que na altura não me tenha dado nenhuma vontade de rir!
Pensámos em ir comer algo, mas o edifício do Continente está em obras, para a construção do Leiria Shopping. Pois...Mais uma barretada: nada de comes e bebes! Nem Pizza Hut, nem sopas, nada! Grrrrrrr, de novo! Comprámos os fatitos de Carnaval para os gémeos, ela uma raínha lindaaaaa e ele um cowboy de respeito.A Inês já tinha o dela em casa.
Rumo ao McDonnalds, toca a manducar depressa, que eu já estava farta de tanto azar.
Depois, fomos visitar o Dioguito.Lindddddooooo! Bem, ao menos isso para me acalmar os nervos. Soube bem estar com aquela família, com aquele novo ser, tão amoroso!
Domingo acordei com uma dor de cabeça XXL, quem sabe dos grrrrrrr do dia anterior. O pai levou a Inês à catequese, demos banhito aos pimpolhos e eu tomei um também para relachar. No duche lembrei-me que era hora de ir visitar a Catarina... Coitadinha, há muito tempo que não lhe levava flores e havia sempre algo que me impedia de sair, porque nunca lá levei os gémeos. A Inês já lá foi por diversas vezes, mas os pimpolhos... Não é o lugar para eles...Além disso, não me sinto bem em visitá-la na companhia deles, parece que a substituí... Comprei gerberas pérola e uma verdura e fui compôr o seu "leito". Como sempre faço, tentei escutar o som do vento e o som dos pássaros: apazigua-me a alma e faz-me acreditar que ela está bem...
Hoje, segunda-feira, o Tomás teve consulta no hospital para despiste de problemas gastro-intestinais relacionados com a diarreia que o assola de vez em quando. Foi um  Grrrrrrrrrrr enorme ao ver que o médico não me diz nada de concreto e parece que quanto a ele o caso está arrumado. Pois, mas o miúdo tem diarreias de semanas a fio de vez em quando a ponto de no infantário terem de lhe trocar a roupa N vezes. "Pode ser síndrome de cólon irritável", disse ele. Ai sim? Então porque não faz o despiste? E se fôr, não haverão comidas a evitar? Grrrrrrrrrrr..... Nova consulta em Maio.Pois, digo uma coisa: não sei se lá volto! Procurar outra opinião? Isso talvez, agora não me darem nada de concreto, dizerem que não há nada de especial a registar e o miúdo andar sempre borrado??? Isso é que não!

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Reciclagem de conhecimentos

Terminei o curso em 1998, um ano antes de casar. Já lá vão, portanto, 12 anos desde que pus o Inglês de lado. A única prática que tenho tido é quando vejo filmes e comparo as legendas com o que ouço. Ficavam incrédulos se vos dissesse a quantidade de gaffes que já descobri, desde "Vamos fazer uma torrada" em vez de "Vamos brindar", ou "Fui eu que fiz" para "I did it" em vez de "consegui". Farto-me de rir com as traduções que vou encontrando.
Tenho andado a ter formação de Inglês na empresa, duas vezes por semana. Decidi inscrever-me porque embora não esteja a praticar o que aprendi, também não o quero esquecer. Além disso, adoro Inglês e acho que hoje em dia é uma ferramenta indispensável em muitas àreas de trabalho e não só.
Estou, portanto, a fazer "reciclagem" de Inglês. No final podemo-nos candidatar a exame numa dessas escolas tipo "Cambridge". Depois, logo se vê.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2010

segunda-feira, 25 de janeiro de 2010

It's my party

“It’s my party

And cry if I want to...”


Trinta a quatro… Arggggggghhhhhhh! Estou a entrar na idade da carcaça!!!


Um ou dois cabelitos brancos já despontaram aqui e acolá. Eu, ou não seria uma mulher, bem que os tento retirar, mas teimam em crescer de novo. Umas ruguitas de expressão na testa (quem me manda ter uma testa de meio metro?), uma ou outra em redor dos olhos. Lá virá a altura em que terei tantas que o difícil vai ser achar uma parte do corpo sem nenhuma. Não me incomoda. Porque deveria? Não tenho medo de envelhecer. Tenho receio é da solidão que me poderá esperar, isso sim. Vejo o que se passa com os idosos de agora e é inevitável pensar que um dia serei eu ali naquele lar, naquela rua, naquele hospital, sem visitas, a ser tratada por “velha” (palavra que odeio!), um empecilho. Nessas alturas penso na minha mãe, prestes a fazer 78 anos, na sua árdua experiência de vida e em quanto gosto dela…






Hoje, esqueço isso tudo e retorno à cantoria:


quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Ladies night à vistaaaaaaa!




É curioso como ultimamente me deu para tentar mudar algumas coisas na minha vida. Com a passagem dos anos, a minha perda, os problemas, apercebi-me que esta vida não vai durar para sempre e a juventude muito menos. No próximo dia 26 completo 34 Invernos, o relógio está sempre a contar as horas, os dias, os anos... Três filhos, um marido, um emprego, uma casa para cuidar e pagar... E eu? Que tenho feito desde que acabei o curso há quase doze anos? Por onde passei, quem conheci, o que modifiquei na minha vida? Sonhos? Não tenho. Alguém me disse há pouco tempo que é quase impossível não ter sonhos, mas a verdade é que eu sou muito terra-à-terra e raramente anseio por algo que não parece estar ao meu alcance. Evito desilusões desnecessárias, porque já me chegam aquelas que a vida me traz sem eu esperar.
No final do mês eu e algumas amigas estamos a combinar um jantar-saída. Nada de extraordinário, apenas uma espécie de encontro para pôr a conversa em dia e respirar um pouco o ar do "descompromisso", no sentido de não ter horas para nada. As tarefas domésticas ficam em casa, as preocupações, os horários.
Parar, sentir, respirar, pensar, falar... tudo isto sem restrições!

domingo, 17 de janeiro de 2010

Um Domingo para recordar...ou não!

Depois de seis horas no Hospital de Santo André, finalmente saí para a rua. Era já de noite... O Tomás estava mais desperto, mas animado, porém ainda com os olhitos pesados. Diagnóstico: provável virose.
Este diagnóstico não me deixa descansada, porque "provável" é uma palavra que odeio, e porque impossibilita o Tomás de ir para o infantário. A minha sogra já começa a ficar cansada de o ter por lá, não sou tola, denotando um certo "arrastar" na voz cada vez que nos pergunta a que horas o vamos deixar lá. É complicado, sei que sim, tendo ela já sido operada ao estômago, sofrendo de depressão e de esteoporose grave na coluna, mas não tenho outra alternativa. Não posso ausententar-me do emprego sempre que me "dê na bolha", porque neste momento sou a única pessoa naquele serviço.
Desta vez, aliada à diarreia ainda sem diagnóstico que se vem arrastando desde Agosto e para a qual ainda na sexta-feira tirou sangue no mesmo hospital, uma febre de 39,5º que o deixou prostrado, olhos muito cansados e umas manchinhas microscópias às quais chamaram petéquias assustaram-me a  sério. De manhã, achei estranho ele não acordar cedo como costume, ainda para mais ontem não quis jantar e só bebeu o biberão de leite de soja (ordens do médico devido à diarreia).Porém, mais estranho achei a sua apatia, a sua palidez. Quando vi a febre, dei-lhe um banhito e coloquei-lhe um Ben-u-ron.Deitei-o enquanto me vestia para irmos ao hospital. Ao vê-lo na camita, todo enroscadinho, nem abria os olhos e de punhos cerrados, uma dor invadiu-me... Não! Não posso esperar mais, não posso perder outro bebé... Meu Deus, acode-me.
A verdade é que o meu homenzinho não tem tido descanso... A luxação na anca, a cabecita deformada, a diarreia... Dá-lhe a Tua mão, Meu Deus!...

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

Chiça...Penico!

Que coisa! Foi preciso estar mais de ano e meio para ir "ver montras" para agora não sair de lá? No espaço de um mês já fiz uma citologia, uma eco endovaginal (estas perdas não são normais),




tenho que fazer uma eco mamária e depois talvez uma citologia mamária (que nem sabia que existia) ao malvado nódulo que me apareceu há três anos durante a gravidez da Catarina e que provavelmente vou tirar.





O curioso é que os que tinha no peito esquerdo diminuiram e este apareceu XXL no peito direito. Sorte a minha, não?
Definitivamente, o SIU vai ser "instalado" e seguem-se cinco anos de paz e sossego...espero eu!

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

E tu? Porque me condenas?

É tão giro ver as críticas que me são feitas. A sério! No fundo até gosto de saber o que os outros não gostam em mim.Sabem porquê? Porque isso me dá a possibilidade de me corrigir a mim mesma, tornando-me uma pessoa diferente, se fôr caso disso. Claro que não vou mudar isto ou aquilo porque A ou B não gostam, era o que faltava.Primeiro analiso o que está em causa e tento perceber se faz sentido o que me dizem. Depois, vejo se ao mudar de comportamento estou a agradar a mim mesma e aos que me interessam realmente. Os demais, que vão levar onde apanham as pombas!
Os meus filhotes adoram mimos, por exemplo. Nem sempre tenho muito tempo disponível, mas se a Inês me desperta para a realidade...Upssss... A miúda tem razão. Bora lá sentar-me com ela, brincarmos com os manos, rir, fazer jogos, ouvir as "músicas lindas" como eu chamo às canções infantis. Agarro a Martita ao colo, finjo que somos um par romântico e lá vai disto, dançamos e dançamos até ficar a arfar!
São destes momentos que me quero recordar e isso vale por todos os esforços que faço, sem dúvida!



sábado, 2 de janeiro de 2010

Todos caimos do nosso pedestal

Várias pessoas têm estado no meu pensamento ultimamente, por um ou outro motivo, dou por mim a pensar nelas... O Sr Silva foi internado ontem, depois de ter feito uma biópsia dia 16. Em Janeiro de 2008 tinha sido internado por lhe ter sido diagnosticado leucemia. Fez quimioterapia, estava a ser medicado, mas algo não teve o efeito esperado. Não atende o telemóvel e morando eu em Leiria e ele em Coimbra, torna-se difícil acompanhar o seu estado de saúde. Ninguém na empresa conseguiu ainda falar com ele... 
A minha irmã... A minha mana do meio não tem andado bem há imenso tempo. Para dizer a verdade, a má sorte persegue-a e a vida não lhe sorri. Vive num sobressalto constante e nunca sabe como vai acabar o seu dia.
A minha mãe... Tem 77 anos.Faz 78 em Maio e está viúva há 7.Sente-se só, vive a 5 km de minha casa e sinto uma culpa enorme em não a visitar mais vezes. Fui buscá-la para almoçar no dia de Natal (a noite foi passada com os meus sogros e ela esteve com a minha irmã mais velha) e convidei-a para vir cá na passagem de ano, já que éramos apenas nós os cinco, mas não quis vir. Felizmente não tem tido doenças que nos dêem motivos de preocupação: foi operada às cataratas no ano passado e a uma hérnia e agora anda a vigiar o colesterol. Contudo, começo a mentalizar-me que a vida não é eterna...
Passámos de ano, mas nada se alterou.A vida continua...ou não...