domingo, 11 de julho de 2010

Catarina...

"Filho,



Adorava dizer - te que tenho todo o tempo do mundo para ti, adorava "reclamar" com as minhas amigas as tuas birras, adorava passar a noite toda acordada para encostar - te no meu peito e limpar - te as lágrimas do rosto.


Sabes, as vezes sinto - me sozinha e na verdade tenho a casa cheia. Sinto que apagaram - me o fogo dos olhos e que me tiraram o "troféu".


Desejo tantas vezes, antes de adormecer, sonhar contigo, só eu e tu.


Quase 4 anos que o meu mundo por momentos deixou de ter sentido, 4 anos de uma dor insuportável, 4 anos a viver um dia de cada vez, 4 anos de recaídas e de sucessos.


Ha um tempo atrás, pensava que estava pronta para deixar - te ir mas eu não estou pronta para isso.


Na verdade quero mais um dia e sempre assim ... mais um e mais um e mais um e mais um ... sinto que vai ser sempre assim até partir.


Sinto o coração apertadinho sabes? Tenho ser forte e apanhar cada pedra do meu caminho, por ti pelos teus irmãos, pelo teu pai e por mim até mas em tantos momentos so quero esconder - me e ninguem percebe. Se notam algo, falam comigo como se fosse apenas uma gravidez... as vezes apetece - me gritar de tanta raiva que sinto.


Continuo a perguntar, porquê isto a nós ...


Sinto - me muitas vezes afogar em tamanha tristeza. Custa - me tanto não te ter aqui, custa - me tanto esquecer - me como era o teu toque na minha barriga ... muitas vezes toco - me para ver se acerto no toque ... estou a esquecer - me e desejo so durante um dia, sentir tudo o que senti quase a 4 anos atrás.


Sei que estás comigo, sei que tu és a minha energia e agora a avo. Sinto uma energia estranha quando estou mal, uma energia que mete - me a cabeça erguida.


Irás ser sempre o meu filho, um dos meus portos seguros, a corrente do mar a levar o nosso barco ... irás ser sempre meu, apenas meu."

Posted 10-06-2010 22:52:59 Mensagem #2423198







Clara Sophie


Retirei este depoimento do site http://www.pinkblue.com/, um site que em tempos visitei com bastante assiduidade. Descobri esse cantinho quando tive problemas de infertilidade secundária. Afeiçoei-me a ele, embora no princípio me sentisse estranha porque não conhecia ninguém. Pouco a pouco o site levou-me a "conhecer" outras pessoas, outras dores. Habituei-me a sofrer pelas minhas "colegas" de fórum. Depois, lá veio o positivo. Mudei de fórum. Uma das mulheres por quem tinha mais estima, perdeu as estrelinhas.Fui-me um pouco abaixo porque tive medo. Esse medo, infelizmente, teve razão de ser... Perdi a minha Catarina às 34 semanas, depois de uma gravidez tão atribulada, mas feliz ao mesmo tempo.
Outro fórum se seguiu: o das perdas gestacionais. Afinal, o site pinkblue é dos sites mais completos que conheço, com fóruns bastante interessantes que nos podem ajudar nas mais variadas alturas.
Nesse fórum "conheci" outras mães que viram os seus filhos arrancados do seu ventre cedo demais, histórias de mães coragem, outras de mães que, infelizmente, podem nunca vir a saber o que é ter um filho nos braços.
Dói muito perder um filho. É uma incredibilidade que nos assalta, depois uma revolta, a seguir um sofrimento sem fim e no fim a resignação. Porém, será que estaremos mesmo resignadas?...

5 comentários:

  1. Olá Isabelinha,

    Infelizmente vivi uma situação destas muito perto a semana passada e ainda não a consegui superar nem dormir como deve ser.

    Uma das minhas colegas, perdeu a filha com 14 anos (faria hoje 15) em circunstãncias ainda não bem explicadas. Foi nadar para a piscina de uma amiga, desmaiou e não a conseguiram reanimar. Não se sabe se morreu afogada se de coração. Não consigo imaginar a dor daquela mãe que se encontra conformada devido à religião pois pensa que a filha renasceu para uma outra vida no céu. Mas mesmo assim penso não haver nada que possa consolar uma mãe...

    Beijos,

    ResponderEliminar
  2. Olá Elsa!
    Sabes, quando eu perdi a minha bebé, revoltei-me imenso. Não conseguia compreender, aliás, ainda não consigo, porque engravidei, porque cheguei aos sete meses, porque teve que partir. Agora vivo melhor com o que se passou, mas se até a Inês vem ter comigo a chorar de vez em quando porque tem pena da mana que não conheceu, seria hipócrita ao dizer que aceitámos o facto. Não adianta dizerem-nos que "Deus sabe o que faz", que "Foi para não sofrer mais tarde" ou se "Cumpriu o seu papel ainda que não saibamos qual". A perda custa.
    Perder um filho depois de nascer deve ser ainda pior porque lembramos a sua face, a sua fala, as suas taras, o se cheiro. Não posso nem quero pensar o que estará aquela mãe a sofrer, essa tua colega.
    Espero não sobreviver à morte de um filho, quero que a natureza cumpra bem o seu papel e que me leve primeiro.

    Berijinhossss

    ResponderEliminar
  3. Só nós sabemos a dor de perder um filho.
    Eu sou do tempo do pinkblue e tive a possibilidade de te acompanhar como sabes. Eu também nunca pensei que se pudessem perder gravidezes tão tardiamente, mas infelizmente fiquei a conhecer essa dor há 4 anos atrás.
    Nunca esquecemos os nossos anjos, por muitos filhos que venhamos a ter, eles são insubstituiveis.
    Infelizmente não voltei a engravidar, mas espero um dia conseguir o meu 3º filho.

    Um grande bj para todas as mamãs de anjos
    Susana Pina

    ResponderEliminar
  4. Susana, caso não saibas digo-te agora: és e serás sempre um exemplo a seguir, para mim. Não sei como te tens aguentado... A vida foi tão injusta para contigo. Mereces o respeito de todas as mulheres pela coragem e empenho em levar a vida para a frente já que nada mais há a fazer.
    Estou contigo! Um beijo grande para ti também e para todas as mamãs de anjos.

    ResponderEliminar
  5. Quinteto,
    obrigada pelas tuas palavras.

    Um bj muito grande
    Susana

    ResponderEliminar

Concordas? Nem por isso?
Apetece-te deixar uma palavrinha?
Então força!

:P